18 de janeiro de 2017

Como ajudar Julio Severo por meio da conta de PayPal do Instituto Judaico de Consciência Global dos EUA


Como ajudar Julio Severo por meio da conta de PayPal do Instituto Judaico de Consciência Global dos EUA

Julio Severo
Depois de mais de cinco anos banido do PayPal por causa de uma campanha internacional de militantes homossexuais nos Estados Unidos, tenho uma boa notícia para os leitores e apoiadores que usavam o PayPal como o jeito mais fácil para fazer suas contribuições chegarem até mim. Não, minha conta não foi restaurada.
Entretanto, o Instituto Judaico de Consciência Global (IJCG), uma organização judaica com sede nos EUA, está oferecendo a meus leitores e apoiadores a oportunidade de fazerem contribuições para mim por meio da conta de PayPal do IJCG.
Se você tem uma conta PayPal e quer começar a apoiar meu trabalho pró-família ou renovar o apoio que você já dava por meio do PayPal anos atrás, por favor faça isso por meio do Instituto Judaico de Consciência Global neste LINK.
Aperte o botão na página do IJCG e você poderá facilmente fazer sua contribuição.
Doe hoje para apoiar um trabalho que os militantes homossexuais têm há anos buscado banir e censurar. CLIQUE NESTE LINK.
Você pode confirmar sua doação efetuada enviando mensagem para mim neste email: juliosevero@hotmail.com
O Instituto Judaico de Consciência Global busca dar a toda a humanidade maior consciência da existência dos valores e princípios universais que dependem de ensinos bíblicos.
A mensagem do IJCG é:
Mantenha a voz de Julio viva!!
​Julio Severo é um blogueiro lendário (em 4 línguas: inglês, português, espanhol e alemão) e jornalista investigativo de liberdade religiosa, tanto no Brasil quanto no mundo inteiro. Como um ativista individual, seu trabalho foi tão eficaz que atraiu a atenção de ativistas gays que orquestraram uma campanha para impedi-lo de receber contribuições diretamente por meio da internet. Até aquele momento, o apoio principal que Julio recebia para seu ativismo cristão era mediante contribuições enviadas diretamente a ele por meio do PayPal e era o que sustentava a ele e sua família.
​Em janeiro de 2012, a revista Charisma noticiou uma classificação, feita pela Comissão Cristã Anti-Difamação, dos dez maiores atos anticristãos durante 2011. Entre eles estava uma campanha de ativistas homossexuais fazendo com que o PayPal investigasse transferências online de dinheiro para várias “organizações cristãs pró-família.” Embora vários indivíduos ou organizações pró-família tivessem sido inicialmente visados 5 anos atrás, Julio foi a única pessoa que perdeu sua possibilidade de receber ajuda financeira. A razão dada foi que ele não era parte de uma entidade dos EUA. (O PayPal lhe enviou uma carta declarando que não podia processar a ajuda financeira que ele recebia porque ele não estava funcionando dentro dos Estados Unidos conforme uma organização aprovada pela lei americana 501(c)(3).)
​O efeito no Julio tem sido devastador, deixando-o financeiramente aleijado e isolado de muitos de seus apoiadores. Seu ativismo incessante depende de encontrar um meio aceitável para seus contribuintes o ajudarem. Pelo fato de que o IJCG é uma entidade legal dentro dos Estados Unidos, e aceitará contribuições designadas para ele, Julio pode finalmente satisfazer aos requisitos impostos. Ele está esperando reconstruir uma base de leitores que estejam dispostos a sustentar financeiramente seu trabalho em questões socialmente conservadoras como direitos dos pais ao homeschooling e questões pró-vida e pró-família. Ele inicialmente buscar arrecadar um mínimo de 25 mil.
​Julio é um evangélico carismático devoto e praticante que está vivendo sua fé. Ele tem uma esposa e sete filhos.
​Julio é um dos fundadores da Rede Nacional Pró-Vida e Pró-Família no Brasil e é muito conhecido em círculos conservadores sociais como blogueiro, autor de livros e ativista. Ele é o autor do livro “Prophetic Prayers” (Orações Proféticas), publicado pela editora americana WestBow, uma divisão das editoras Thomas Nelson & Zondervan. Suas obras têm sido mencionadas no Congresso do Brasil e em várias grandes revistas evangélicas brasileiras. Além disso, muitos sites brasileiros e americanos (por exemplo, o Barbwire.com) publicam seus artigos.
​Seus blogs são muitas vezes descritos como expressões da voz do Reino de Deus. Como o próprio Julio escreveu num de seus blogs: “No deserto de desinformação de revistas, jornais e blogs que espelham a voz da ideologia e do sistema, Deus pode conduzir até por meio de sonhos aqueles que precisam conhecer a verdade. Esse é o valor que Deus dá aos blogs que espelham a Sua voz.”
Vários anos atrás, ele foi forçado a deixar o Brasil por causa de falsas acusações criminais contra ele por “homofobia,” uma acusação que ele nega fortemente. Em toda a sua ocupação, devido ao impacto feito por seus livros, atividade de internet e ativismo público sólido, ele tem sido perseguido e hostilizado. Apesar disso, ele continua a ser um guerreiro na guerra cultural e precisa de sua ajuda para sobreviver.
Para fazer uma contribuição, CLIQUE NESTE LINK.
Leitura recomendada:

17 de janeiro de 2017

China combate “crise” de masculinidade com novo livro escolar para meninos


China combate “crise” de masculinidade com novo livro escolar para meninos

Comentário de Julio Severo: A Bíblia diz que quando aqueles que conhecem a verdade se calam, Deus pode usar as pedras — gente dura — para clamar e falar o que outros deveriam estar falando. Enquanto nos EUA e no Brasil livros pró-homossexualismo para crianças nas escolas se espalham, a China está combatendo essa feminilização da masculinidade. Nesse aspecto, a China ganhou do Brasil e dos EUA. A China pode ter um milhão de coisas erradas, mas nesse aspecto, ela está certíssima. Leia o artigo da FoxNews:
Ao que tudo indica a China está preocupada que seus meninos estejam se tornando efeminados demais. A solução da China: um livro escolar que promove a masculinidade. O livro se chama “Homenzinhos.”
O livro ilustrado fala sobre pais e filhos, e incentiva os meninos a dar prioridade ao seu lado masculino, com administração financeira e outros assuntos ostensivamente adequados para homens.
A NBC News informa que a preocupação é generalizada e que os cidadãos culpam a “crise sexual” em tudo desde muito trabalho doméstico (e pouca atividade física) a serem mimados pelos pais que tiveram permissão de ter só um filho. “As meninas estão ficando mais como os meninos enquanto os meninos estão se tornando mais como meninas, introvertidos e acanhados,” se queixa um pai.
Um jornal de língua inglesa na China culpou o problema percebido nos atores e estrelas populares “efeminados” na cultura japonesa e coreana.
O novo livro, que contém seis capítulos, foi impresso em dezembro pela Editora Educacional Xangai e foi dado como teste em algumas escolas. A ideia é que os meninos serão ensinados com o livro durante a aula, enquanto as meninas não terão aula, informa o jornal South China Morning Post.
A antropóloga Tiantian Zheng disse a NBC que a preocupação sobre a masculinidade é vista como prioridade entre autoridades governamentais, e ela indica que o resultado pode ser a criação de escolas de ensino médio voltadas exclusivamente para estudantes do sexo masculino.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês da FoxNews: China fights masculinity 'crisis' with new textbook for boys
Leitura recomendada:

15 de janeiro de 2017

Crivella escolhe homossexual presbiteriano para chefiar secretaria de defesa de causas LGBT


Crivella escolhe homossexual presbiteriano para chefiar secretaria de defesa de causas LGBT

Julio Severo
O prefeito do Rio de Janeiro, Marcelo Crivella, escolheu Nélio Georgini, de 41 anos, para chefiar a Coordenadoria Especial da Diversidade Sexual (CEDS). Ele era coordenador de Educação do Partido Republicano Brasileiro (PRB), o mesmo partido de Crivella.
Nélio Georgini
O jornal O Globo disse que Georgini pertence à igreja presbiteriana e vive amasiado com outro homem, o bancário Ronie Adams. Falando ao jornal O Globo, ele declarou: “Vou manter todos os programas de meu antecessor. Meu princípio é que todos têm o direito à felicidade.” O cargo dele está subordinado diretamente ao gabinete do prefeito Crivella.
Homossexualidade é felicidade? Impor a agenda de gênero nas escolas é felicidade? Só se for em Sodoma.
Como é que um prefeito evangélico pode manter os programas anteriores? Os programas do chefe anterior da CEDS eram marcados por uma militância estridente pelas causas gays, inclusive a promoção da ideologia de gênero nas escolas.
O caso de Nélio, que é um ativista gay presbiteriano, é parecido com outro ativista gay presbiteriano que recentemente defendeu a Universidade Presbiteriana Mackenzie.
Ao nomear um ativista gay para uma secretaria que deveria, por bom senso, ter sido eliminada, Crivella mostra que não pretende reverter os avanços da agenda gay. Pelo contrário, sua escolha dará prosseguimento a esses avanços.
Já que era do interesse de Crivella, que já foi bispo, nomear um presbiteriano para chefiar uma secretaria, por que ele não escolheu um líder presbiteriano idôneo? Ele poderia, por exemplo, escolher o Pr. Hernandes Dias Lopes para chefiar uma Secretaria da Promoção da Família Natural, que tivesse como meta defender os valores morais tradicionais. Em vez de investir nas CEDS, que não têm utilidade, ele poderia investir em tal secretaria pró-família.
Não há falta de bons presbiterianos no Brasil, mas quando até a Universidade Presbiteriana Mackenzie prefere contratar ativistas anti-família em vez de bons presbiterianos, o que esperar de Crivella, que não é presbiteriano?
Crivella pode ter se esquecido de seus compromissos com Deus, mas Ele não se esqueceu de que um dia, cedo ou tarde, ele prestará contas a Ele. Até lá, todos os homens (inclusive a grande mídia) que ele tanto teme hoje, terão todos ido. Será então só entre ele e Ele.
Espero que Crivella dê um telefone ao Pr. Hernandes e exonere o Nélio.
Com informações do GospelPrime e O Globo.
Leitura recomendada:
Leitura recomendada sobre presbiterianos e apostasia:

14 de janeiro de 2017

Magno Malta louva Obama


Magno Malta louva Obama

Julio Severo
A página oficial de Facebook de Magno Malta disse em 12 de janeiro de 2017 sobre Obama: “Um bom exemplo de homem público. Vai deixar saudades. Senador Magno Malta teve a honra de conhecê-lo pessoalmente.”
Deixará saudades? Obama foi um péssimo exemplo de homem público. Ele lutou pelo aborto no mundo inteiro. Trabalhou intensamente para impor a agenda gay nos países mais fracos. Fez tudo ao seu alcance para destruir a família natural de marido e esposa.
É óbvio que Obama se parece com Lula, pois ambos sempre tiveram uma obsessão por causas socialistas como o aborto, a agenda gay, etc.
Manchete do jornal FolhaVitória de 2008 disse: “Magno Malta compara eleição de Obama à de Lula.” Na matéria, Magno disse: “As classes menos favorecidas tiveram esperança.” Na verdade, os menos favorecidos dos menos favorecidos, os bebês em gestação, perderam toda esperança com a eleição do homicida Obama, que tem sangue de milhares de bebês em suas mãos.
Em 2004, eu estava num culto da sede da Comunidade Sara Nossa Terra em Brasília, onde o pregador foi Magno Malta, que passou uma hora exaltando supostas qualidades de Lula, especialmente compaixão pelos pobres. Ora, os pobres são pessoas desprotegidas. O que Lula fez para proteger os mais pobres e indefesos, os bebês em gestação? Onde estava a compaixão dele? No governo de Lula, só vimos compaixão por Fidel Castro e criminosos como um assassino italiano que Lula recusou extraditar para a Itália.
Compaixão por assassinos não é verdadeira compaixão.
Magno acabou acordando da ilusão de Lula e tratou o caso na realidade do que é: pesadelo socialista. Mas por que agora ele quer fantasiar o caso de Obama, que ele sabe que é igual ao caso de Lula? Amnésia?
Vigie e ore, Magno Malta, para que você pare de se iludir com a tentação do homicida Obama! O pior homicida é aquele que massacra os mais indefesos e inocentes. Obama é tal homicida.
Além disso, com suas intervenções militares em vários países que acabaram trazendo grande perseguição e mortandade aos cristãos, Obama tem sangue cristão nas mãos. Aliás, ele fundou o ISIS, uma verdadeira máquina de matar cristãos.
Quem louva homicida, seja da ilha de Cuba ou da Casa Branca, não merece a confiança de pessoas que odeiam homicídios.
Leitura recomendada sobre Magno Malta:

13 de janeiro de 2017

Adivinhos e cartomantes? Uma estupidez, disse o Papa ao recordar história


Adivinhos e cartomantes? Uma estupidez, disse o Papa ao recordar história

Álvaro de Juana
Vaticano, 11 Jan. 17 / 10:00 am (ACI).— Uma curiosa história sobre videntes, adivinhos e cartomantes fez parte da catequese que o Papa Francisco pronunciou na Audiência Geral desta quarta-feira, na qual falou sobre as “falsas esperanças” oferecidas por “falsos ídolos”, aos quais muitas vezes o homem recorre.
O Papa denunciou que, muitas vezes, “pensamos poder encontrá-la (confiança) na segurança que pode dar o dinheiro, nas alianças com os poderosos, na mundanidade, nas falsas ideologias”
“Às vezes, nós a buscamos em um deus que possa se inclinar aos nossos pedidos e magicamente intervir para mudar a realidade e torna-la como nós a queremos; um ídolo que, como tal, não pode fazer nada, impotente e mentiroso”.
Neste ponto, Francisco improvisou e contou a história:
“Nós gostamos dos ídolos. Uma vez, em Buenos Aires, eu tinha que ir de uma igreja para outra, cerca de mil metros, e percorri caminhando. Tinha um parque no meio. No parque havia pequenas mesas, mas muitas, muitas, onde estavam os videntes”.
“Tinha tanta gente que faziam até fila. Você dava mão e ele começava, mas o discurso era sempre o mesmo: ‘há uma mulher na sua vida, tem uma sombra chegando... mas tudo acabará bem’. E você pagava. Isso dá segurança. É a segurança de, permitam-me a palavra, de uma estupidez”, narrou o Papa.
“Este é o ídolo. ‘Ah, fui na vidente e ela leu as cartas’ – sei que ninguém de vocês faz isso – ‘por causa disso eu sai melhor’. Você paga para ter uma falsa esperança. Isso é ídolo. E nós somos tão apegados. Compramos falsas esperanças”.
Fonte: ACIDigital
Divulgação: www.juliosevero.com
Leitura recomendada:
José, Maria e Jesus. Deus não facilitou para José. Mas Ele lhe deu sonhos que salvaram seu casamento

11 de janeiro de 2017

Belicistas pró-família, neocons pró-sodomia e não-neocons pró-sodomia: o que é pior para os cristãos?


Belicistas pró-família, neocons pró-sodomia e não-neocons pró-sodomia: o que é pior para os cristãos?

Julio Severo
Eu estava assistindo ao Franklin Graham, filho do evangelista Billy Graham, no canal noticioso de televisão esquerdista CNN (https://youtu.be/_2-ycehCnuM) sabiamente respondendo a perguntas enquanto a apresentadora o pressionava a condenar a intervenção russa na Síria. Para ela, essa intervenção era responsável por massacres, mas ela nunca mencionou que a Rússia estava lutando contra rebeldes muçulmanos financiados, treinados e armados pelo governo de Obama. Ela nunca mencionou que antes da intervenção russa, esses rebeldes estavam torturando, estuprando e massacrando cristãos. Ela nunca mencionou que o objetivo real da intervenção de Obama na Síria, principalmente por meio da secretária de Estado dos EUA Hillary Clinton, nunca foi combater o ISIS, mas ajudar os rebeldes a derrubar o presidente sírio Assad, que é apoiado pela Rússia.
Apesar da pressão psicológica, Graham não condenou a Rússia.
O fato é que com Hillary, o Departamento de Estado dos EUA era uma máquina de guerra fazendo guerras contra os cristãos na Síria, Iraque, Líbia, Afeganistão, etc. Há evidência de que a secretária de Estado Hillary criou e armou o ISIS, que massacrou milhares de cristãos. Os EUA criaram uma bagunça horrível no Iraque, Líbia, Afeganistão e Síria.
Além disso, enquanto os muçulmanos têm representado uma vasta maioria dos imigrantes que estão sendo bem-vindos e reassentados nos EUA pelo Departamento de Estado, as vítimas cristãs representam menos de 5 por cento.
Outra guerra fomentada pelo Departamento de Estado de Obama foi a guerra cultural em favor da agenda homossexual. Esse departamento financiou e treinou ativistas homossexuais no mundo inteiro. De forma ativa e categórica, promoveu os interesses deles, inclusive nomeando o primeiro embaixador mundial para promover a agenda homossexual.
Hillary era uma neocon pró-sodomia no Departamento de Estado.
O que esperar de um secretário de Estado de Trump? Primeiro, coerência com seu discurso na campanha confrontando os neocons, conhecidos por suas parcerias com o terrorismo islâmico contra a Rússia, e por sua abertura para imigrantes islâmicos, não cristãos.
Quando Trump estava considerando Mitt Romney para secretário de Estado, era difícil não pensar que o espírito de Hillary não estaria continuando sua missão por meio dele, pois sob o governador Romney Massachusetts foi o primeiro estado dos EUA a legalizar o “casamento” homossexual. Além disso, ele queria confrontar a Rússia na Síria e Ucrânia, exatamente como Obama estava fazendo e exatamente como Hillary queria fazer em seu sonho de uma presidência.
Então Trump escolheu Rex Tillerson, presidente da Exxon Mobil, para secretário de Estado. Tillerson tem um histórico de boas relações com Putin e a Rússia, mas não com o ISIS. E ele não parece querer guerras, mas boas relações. Esse é um bom sinal.
Diferente de Hillary, que estava matando cristãos na Síria por meio dos rebeldes muçulmanos e do ISIS e no Iraque por meio do ISIS, Tillerson parece entender que não tem nexo apoiar tal guerra injusta e castigar a Rússia por seu envolvimento pró-cristão.
Diferente de Hillary e Obama, a esperança é que Tillerson compreenda que cristãos perseguidos, não muçulmanos, deveriam receber prioridade para imigração.
Entretanto, há uma preocupação. Tillerson estava na diretoria da organização de escoteiros dos EUA e aprovou sua decisão infame de permitir líderes homossexuais. Isso o torna igual a Hillary.
Contudo, e se Trump escolhesse Ted Cruz? As posturas pró-família e pró-Israel de Cruz são excelentes. Em política externa, ele não usaria o Departamento de Estado para promover a agenda homossexual. Mas com relação à Rússia, ele e neocons como Marco Rubio são iguais a Hillary: Cruz queria um confronto com a Rússia na Síria e Ucrânia por causa da Crimeia, uma região tradicionalmente russa por centenas de anos e da qual a Rússia fez reintegração de posse em 2014. Sua política seria uma continuação da política de Hillary.
Então, todas as escolhas são difíceis. No entanto, embora Hillary e o governo de Obama zombassem e hostilizassem a lei russa que proíbe propaganda homossexual para crianças e acabasse impondo sanções contra a Rússia usando como desculpa a reintegração da Crimeia, Tillerson se manifestou publicamente contra tais sanções.
Se ele fosse tão obcecado pela agenda gay quanto Obama e Hillary são, ele provavelmente se manifestaria a favor de tais sanções.
Como avaliar as diferenças? Cristãos como Ted Cruz são muito bons em defender a vida e a família. Eles merecem ser elogiados por seus esforços pró-família. Mas seus esforços neocons de combater a Rússia enquanto a Rússia está combatendo o ISIS e ajudando os cristãos no Oriente Médio os coloca em pé de igualdade com Hillary, cujas políticas anti-Rússia eram anticristãs e pró-ISIS e pró-rebeldes islâmicos.
Ted Cruz, Marco Rubio e outros são belicistas pró-família. Cristãos perseguidos por muçulmanos na Síria e outras nações dificilmente teriam alguma esperança de serem ajudados pelas políticas deles, e as opiniões pró-família deles seriam úteis apenas para cristãos pró-família fora das zonas de guerras islâmicas.
Romney seria uma continuação de Hillary, sem benefício para cristãos pró-família nos EUA e cristãos perseguidos por muçulmanos em outras nações.
Tillerson não parece ser belicista. Ele não tem histórico de guerras, mas de amizades e acordos. Isso é mudança real, pois o Departamento de Estado tem tido muitos belicistas por tempo demais
Tillerson seria perfeito se ele fosse um cristão pró-família contra a agenda gay — como Ted Cruz seria perfeito se ele não fosse belicista e confrontador numa época em que a Rússia está buscando paz e parceria contra o terrorismo islâmico. A Rússia tem o desejo exato que Trump mostrou em sua campanha.
Aliás, Trump disse na semana passada que só indivíduos estúpidos e idiotas veriam boas relações com a Rússia como coisa má. Isso está em conformidade com sua campanha e com o histórico de Tillerson.
Se Tillerson fosse um militante homossexual, haveria confronto entre ele e Putin, pois embora ele aprovasse líderes homossexuais de escoteiros para ensinar propaganda homossexual para crianças, Putin aprovou uma lei proibindo tal propaganda.
Como Trump, Tillerson está aberta à agenda gay, mas ambos, diferente de Hillary e Obama, estão abertos ao diálogo.
Contudo, ao avaliar entre belicistas pró-família, neocons pró-sodomia e não-neocons pró-sodomia, o que é importante? As vidas de cristãos perseguidos por muçulmanos na Síria são tão importantes quanto as vidas de bebês em gestação defendidas por bons cristãos pró-família.
Qualquer secretário de Estado disposto a apoiar os esforços russos, ou pelo menos não interferir negativamente como Obama e Hillary fizeram, na Síria está ajudando a salvar vidas, principalmente cristãos vitimados pelo ISIS. Nesse aspecto, Tillerson parece ser a única esperança para o Departamento de Estado parar sua intromissão pró-islamismo contra os cristãos na Síria.
Espero estar certo: Tillerson não parece ser neocon.
Leitura recomendada:

10 de janeiro de 2017

Trump diz: Só os idiotas veem boas relações com a Rússia como coisa má


Trump diz: Só os idiotas veem boas relações com a Rússia como coisa má

Responde a relatório que afirma que o próprio Putin pessoalmente ordenou a hackeação na eleição americana
(Bloomberg) Enfrentando pedidos para revidar contra a Rússia pelo que as agências de espionagem dos EUA chamaram de interferência do governo russo na campanha eleitoral americana de 2016, Donald Trump em vez disso recomendou relações mais amistosas entre os dois países.
O presidente-eleito usou seu Twitter no sábado para discutir o relacionamento potencial entre EUA e Rússia sob seu governo, um dia depois que os chefes de espionagem dos EUA lhe deram informações sobre as medidas da Rússia que eles disseram foram orientadas pelo presidente Vladimir Putin.
“Ter um bom relacionamento com a Rússia é uma coisa boa, não uma coisa má,” Trump disse numa série de tuítes. “Só os ‘estúpidos,’ ou idiotas, achariam que isso é ruim! Temos problemas suficientes no mundo sem ainda outro.”
“Quando eu for presidente, a Rússia nos respeitará muito mais do que agora,” Trump garantiu a seus 19 milhões de seguidores no Twitter.
Na sexta-feira, os chefes de agências de espionagem dos EUA se encontraram com o presidente-eleito no prédio Trump Tower em Nova Iorque para apresentar evidência de que Putin pessoalmente ordenou os ataques cibernéticos e de desinformação contra a campanha eleitoral [de Hillary] nos EUA.
Putin desenvolveu “uma preferência clara” pela vitória de Trump, disseram as agências num resumo confidencial de suas descobertas. As agências disseram que “avaliam que Putin e o governo russo ambicionavam ajudar as chances eleitorais do presidente-eleito Trump quando possível desacreditando a Secretária de Estado Hillary Clinton e mostrando-a num contraste público desfavorável com ele,” de acordo com o relatório.
Traduzido por Julio Severo do original em inglês do WND (WorldNetDaily): Trump: Only fools see good ties with Russia as bad
Leitura recomendada: